Encravado na Serra de Sicó e rodeado de magníficas paisagens está a nascer em Poios (Redinha) o Explore Sicó, um empreendimento turístico que pretende valorizar o património natural e paisagístico da região, apresentando-se como o ponto de partida para interpretação e exploração deste território. O projecto (inicialmente designado de CIMU Sicó - Centro de Interpretação e Museu da Serra de Sicó) tem andado num “pára-arranca”, mas finalmente parece ter fim à vista. As obras, paradas há alguns meses, deverão ser retomadas este mês e espera-se que o investimento esteja concluído no início de 2019.

O empreendimento, com um investimento previsto de 1,7 milhões de euros no orçamento municipal de 2018, apresenta-se como um “equipamento único no contexto da região e das Terras de Sicó, com uma localização privilegiada”, realçou a vereadora com o pelouro do Turismo, Ana Gonçalves, adiantando que o projecto, que inicialmente se destinava a centro de interpretação e museu, foi alvo de uma “redefinição de alguns conteúdos programáticos” transformando o edifício num “espaço multifuncional e polivalente” com três valências. “Nos últimos meses têm sido encetadas várias diligências junto dos diferentes intervenientes neste projecto com vista a ultimar o plano director e estratégico”, referiu a vereadora, na reunião de Câmara Municipal de 20 de Dezembro, justificando a paragem das obras. Os estudos para reprogramação do projecto estão em fase de conclusão e só depois de terminados serão retomadas as obras, o que deverá acontecer durante este mês.

A primeira de três valências corresponde a “um centro interpretativo do carso de sicó”, que inclui “uma sala de modelo digital terrestre”, ou seja, uma sala emersiva com projecções de video-documentários numa maquete com uma escala 1:12.500 e em outros três planos. O Explore Sicó inclui também “um bike hotel que oferece em termos hoteleiros cerca de 29 camas distribuídas em três quartos duplos e quatro camaratas”, bem como “a reserva de arqueologia de Sicó”, que consiste num “espaço mais dedicado à investigação, valorização, preservação e divulgação do património arqueológico”. Além disso, contempla ainda um mini-auditório, uma cafetaria com restaurante e esplanada, uma parede de escalada e uma zona de apoio ao desporto de natureza, nomeadamente na área da espeologia e do BTT.

Para Ana Gonçalves, “este é um espaço que se pretende dinâmico, estravasando um conceito meramente expositivo, que se deseja ser o ponto de partida para a interpretação e exploração da evolução do nosso território”.

“O grande desafio para 2018 é potenciar os eventos e consequentemente atrair mais visitantes para o concelho, aumentando a sua estadia e trazendo riqueza para o território”, enfatizou a vereadora, constatando que este projecto é também importante para atingir esse objectivo, tanto que este ano “o grande investimento no turismo será sem dúvida nenhuma este projecto”. Afinal, “a paisagem singular da serra e a construção do Explore Sicó abre-nos a porta para o maciço Sicó, um património com enorme potencial turístico”, sublinhou.

“No âmbito da linha de apoio à valorização turística do interior, estamos a trabalhar neste momento numa candidatura para o financiamento de conteúdos de suporte ao Explore Sicó e para a ponte suspensa do Vale do Poio”, conclui a vereadora.