O Município de Pombal comemorou o feriado municipal, no passado sábado (11), distinguindo personalidades e instituições que se destacaram “pelos seus actos, pelos seus serviços ou pelo importante papel que desempenham no fortalecimento e no desenvolvimento da nossa comunidade”. No total foram 13 homenageados com medalhas de Honra, de Prestígio e Carreira, de Mérito Associativo, de Mérito Empresarial, de Mérito Municipal, de Valor e Altruísmo, bem como de 25 Anos de Serviço Público. O destaque foi para a Filarmónica Artística Pombalense, que comemorou este ano o 150.º aniversário.

A Banda Filarmónica Ilhense, que comemora sábado (25) o seu 93.º aniversário, “continua jovem e a reinventar-se”. Quem o diz é o presidente da direcção, Nilton Leopoldo, argumentando que para “manter uma estrutura destas a funcionar com qualidade é preciso ter uma boa situação financeira, pois senão tudo colapsa num instante”. Mas, mais importante que isso, é mesmo “continuarmos a ser reconhecidos e motivados constantemente tanto pela população, como pelos órgãos administrativos”.

O presidente da Câmara Municipal de Pombal, Diogo Mateus, parte para o segundo mandato à frente dos destinos da autarquia consciente de que tem pela frente um “novo cenário” que reclama “mais discussão, mais reflexão e mais cooperação” para “encontrar soluções mais participadas”, porém “tendo os olhos sempre colocados no programa eleitoral que foi sufragado e aprovado pela maioria dos cidadãos”. O autarca falava na cerimónia de tomada de posse que, no passado dia 20 de Outubro, encheu a sala principal do Teatro-Cine de Pombal.

Porque é que em média as mulheres ganham menos do que os homens? Porque é que há cargos feminizados que têm pouca adesão masculina? Porque é que determinadas profissões são mais acessíveis aos homens? Porque é que rapazes e raparigas ainda criam barreiras entre si com base em estereótipos de género? Com vista a alterar mentalidades para acabar com estes preconceitos, a APEPI (Associação de Pais e Educadores para a Infância) está a desenvolver o projecto BASTA, que arrancou em Novembro do ano passado e estende-se até Dezembro de 2018. Sensivelmente a meio do programa, a coordenadora do projecto, Patrícia Torrado, faz um “balanço muito positivo”, argumentando que “em Junho já superámos as metas para este ano em termos de execução de objectivos e de população-alvo abrangida”, portanto “até ao final de 2018, não só temos muita facilidade em cumprir essas metas e objectivos, como inclusivamente acreditamos que vamos ultrapassar grandemente o que estava previsto”.

O fogo passou e queimou tudo o que encontrou pela frente, deixando um rasto de destruição na zona Oeste do concelho de Pombal. O verde que até há poucos dias caracterizava aquela paisagem, oscila agora entre o negro e o castanho pálido. Escasseiam as folhas verdes. Sobram grandes prejuízos de património queimado pelas chamas.

Tasquinhas regionais, feira de frutos secos e de artesanato, passeio de clássicos, raid de BTT, concentração de caravanistas e radio modelismo. Estão lançados os “ingredientes” para mais uma edição do Bodo das Castanhas de Vermoil, que promete atrair milhares de pessoas àquela freguesia do concelho de Pombal, entre os dias 27 e 29 de Outubro.

Pombal não quis Narciso Mota de volta. Diogo Mateus foi reeleito com maioria absoluta, elegendo cinco vereadores, contra três de Nárciso Mota – Pombal Humano (NMPH) e um do PS. Os social-democratas ganharam ainda a Assembleia Municipal e 10 das 13 freguesias. O partido perdeu Redinha para o PS, Ilha/ Guia/ Mata Mourisca para NMPH e em Vila Cã mantém-se a independente Ana Tenente.