Os próximos trinta dias serão importantes para o futuro, pelo menos, de curto-prazo. Haverá eleições autárquicas, pelo que será inevitável a contagem de câmaras ganhas e perdidas, induzindo a partir daí algumas conclusões para a análise política nacional.

Bom dia!

Já regressados de férias, este mês será uma mistura de discussão nacional de benesses a incluir no orçamento de 2018, por imposição dos acordos com os partidos da esquerda e aproveitando o crescimento da economia, ainda que a médio e longo prazo, só Deus sabe quais poderão ser as consequências, e as discussões locais para as eleições autárquicas.

Tem sido um Verão historicamente difícil. A tragédia do incêndio de Pedrogão e Castanheira vai marcar inevitavelmente o país político.

Na realidade, penso que será difícil dissociar uma coisa da outra, embora o abuso dos instrumentos de amplificação de som deixe os nervos de quem os escuta em frangalhos.

Nem tudo o que parece é ou não há milagres. Portugal tem progredido, a economia está a mexer mais e quem está nas empresas percebe isso por várias razões. Seria inevitável que após um período de enorme contracção,  o crescimento económico aparecesse. Aliás, já tinha aparecido em 2015 e é suposto que continue nos próximos anos. Do lado das contas públicas, o défice desceu de 11 por cento, em 2010, para cerca de 2 por cento, em 2017, o que é obviamente relevante. Sabemos que o actual governo empurrado pelos partidos de esquerda, diminuiu a carga horária dos funcionários públicos de 40 para 35 horas semanais, foram devolvidos alguns dos cortes do tempo da Troika, bem como um esforço enorme para ir mantendo sensivelmente tudo como estava porque não há clima para continuar a reformar a máquina pública.

Antes de mais, uma vez que se trata de datas significativas para a comunidade local, permitam-me que lembre a todos os condeixenses que, em 1219, o topónimo “Condeixa Nova” nos aparece mencionado, documentalmente, que saibamos, pela primeira vez. O texto em Latim e a sua tradução foram por mim publicados na obra editada pela Câmara Municipal de Condeixa e pela editora Afrontamento em 2014 (“Condeixa, Lugar de Grande Estrada. Quadros para a sua História”, pp. 255-56). Significa isto que Condeixa-a-Nova irá decerto comemorar proximamente, em 2019, os 800 anos da sua existência (documentada).